Transmutation News – September 2019 – Portuguese

Transmutation News Setembro de 2019

Em julho, tive a oportunidade fantástica de fazer uma expedição ao Ártico com o meu marido. Para mim, foi o realizar de um sonho. Numa poderosa viagem xamânica, o Sol já me tinha pedido para fazer a peregrinação.

Partimos num barco de expedição de cortar gelo. Foi uma experiência incrível viajar num reino tão mágico. Fomos para o arquipélago de Svalbard.

Durante a nossa viagem, o gelo expandiu-se e, por isso, conseguimos chegar ao paralelo 80º. Chegámos a 1174 quilómetros na direção do Pólo Norte, mas não podíamos ir mais longe.

Possivelmente não consigo pôr em palavras o que experienciámos. Definitivamente, agora temos “febre polar” e estamos seriamente a pensar mudar-nos, por uns tempos, para uma cidade no Ártico.

Fui para estar no gelo e no silêncio. Ser capaz de atravessar a plataforma de gelo foi espetacular! Mas também fomos para ver alguns seres da natureza maravilhosos – golfinhos, focas, morsas, um incrível número de pássaros, lindas flores, renas, raposas árticas… E sim, vimos um urso polar.

Consegui ver o urso polar a subir um bocado de gelo, então, basicamente, só lhe vi o rabo. Mas depois consegui vê-lo a caminhar. Aconteceu tudo tão rápido que não consegui tirar uma fotografia. Mas foi um grande presente!

Na Notícias de Transmutação, continuo a partilhar que toda a vida canta.

Numa excursão num barco zodíaco entrámos num fiorde onde o gelo cantava. Ficámos ali uma hora antes de regressarmos.

Partilhei o momento do gelo a cantar num vídeo na minha página de Facebook: http://www.facebook.com/SandraIngerman

Fizemos algumas caminhadas espetaculares e passeios surpreendentes no barco zodíaco para ver uma riqueza de animais, pássaros e paisagens.

Estar em silêncio nesta dimensão mágica da realidade é transformador.

E é algo que todos perdemos nas vidas frenéticas que vivemos. E a vida tornou-se tão rápida que está a causar doenças da alma.

Devemos regressar a uma vida mais baseada na natureza. Essa mudança pode ajudar as pessoas emocional, espiritual e fisicamente.

Com todas as mudanças a acontecerem no nosso ambiente, devemos aprender a adaptar-nos. O nosso ambiente atual está cheio de toxinas e devemos ser, realmente, proativos em transmutá-lo.

Recentemente descobri, com um teste médico, que estou cheia de bolor muito tóxico, assim como a minha casa. Estamos a trabalhar com uma equipa de especialistas para tirarem o bolor da nossa casa. E eu estou a tomar suplementos para o meu próprio tratamento.

Mas tomei consciência de que me posso perder na paranoia de pensar que algum bolor pode escapar e ficar na minha casa.

Tomei consciência de que, em vez de mudar para um estado de medo, é altura de ir ainda mais profundamente na minha própria prática de transfiguração. Sabemos que funciona pelo muito que temos visto ao longo dos anos. A luz transforma as substâncias tóxicas.

Durante o dia foco-me em sensoriar e sentir o meu sol interior a irradiar luz pelas minhas células. Emano luz e amor através da minha casa e da terra onde vivemos.

Vejo a nossa casa na sua divina perfeição. E também estou a fazer o meu trabalho espiritual para sair do campo de energia do bolor. Sair dos campos de energia é um tópico sobre o qual quero continuar a falar no futuro.

Para nos adaptarmos ao nosso ambiente, temos de fazer o nosso trabalho. Devemos sair do campo frenético de energia em que muitos de nós são apanhados e encontrar formas de entrar no campo de energia do silêncio. Precisamos disto para regenerar!

E devemos fazer as nossas práticas espirituais, como a transfiguração, para transmutar o que absorvemos do nosso ambiente em vez de vivermos em medo.

A adaptação será fundamental na nossa vida. Passem algum tempo na natureza e reflitam sobre o que estou a partilhar.

O que estão a fazer para garantir que se adaptam? E como estão a inspirar as pessoas que amam e a vossa comunidade a fazer o mesmo? Este é um trabalho importante que não podemos negar mais.

Há seres na natureza que entram no caminho para o qual nasceram para se adaptarem e há aqueles para quem chegou a altura de deixar o planeta. Mas toda a vida, agora, está a ser solicitada a adaptar-se, de uma maneira ou de outra.

A lua cheia é a 14 de setembro. É uma altura perfeita para nos conectarmos com o poder do sol, da lua, das estrelas e entrarmos na nossa luz divina que reflete de volta poderosas energias que regeneram. Encontrem uma forma de se adaptarem ao vosso próprio trabalho de transfiguração para que possam entrar na vossa luz radiante mais pura.

Vamos irradiar esta luz através da nossa comunidade global, empoderando-nos uns aos outros. E vamos irradiá-la dentro e através da Terra, tocando cada forma de vida com perfeição e amor.

Se são novos leitores da Notícias de Transmutação, por favor leiam “Criar uma Teia Humana de Luz” na homepage.

Incrivelmente, o verão e o inverno estão a mudar para o outono e a primavera no Hemisfério Norte e no Hemisfério Sul. É altura de nos conectarmos com a terra onde vivemos e sentirmos as mudanças dentro e fora dela, à medida que acolhemos uma nova estação de vida.

O equinócio é a 23 de setembro. Durante este tempo de outono, pensamos sempre sobre o que precisamos de deixar ir e rendemo-nos à terra para que ela possa compostar a energia numa nova vida. E para a primavera pensamos sobre as possibilidades infindáveis que podem nascer ao plantarmos novas sementes na terra.

Para este equinócio vamos, cerimoniosamente, plantar sementes de esperança na terra onde vivemos. Podem, certamente, fazê-lo numa viagem xamânica ou numa meditação. Mas, melhor do que isso, seria ir para o exterior, levar as ferramentas sagradas, acolher os espíritos, os ancestrais compassivos da terra, a terra, o ar, a água e o fogo, assim como o sol, o poder da lua e das estrelas para serem as vossas testemunhas. Usem algumas sementes que tenham apanhado ou comprado e plantem-nas enquanto respiram esperança, amor e luz em cada semente que plantam. Encham cada semente com a intenção de esperança a rebentar à volta do mundo no seu tempo certo. Com a mudança das estações, teremos plantas de esperança a florescer um pouco por toda a parte.

Cada ser que vive na Terra é sagrado. Vocês são sagrados. A vida é sagrada. Lembremo-nos da bênção que é estar aqui e continuar a aprofundar as nossas práticas espirituais.

Junto-me ao nosso círculo para desejar a todos um bonito e poderoso equinócio!

Transmutation News – May 2019 – Portuguese

Transmutation News Maio de 2019

Adoro o mês de Maio. Há uma energia na natureza durante este mês que me parece sempre muito amorosa. Sinto-me em paz com a chegada deste mês. Talvez a palavra “May” contenha uma vibração particular que ressoa comigo.

Quando comecei a praticar e a ensinar o Resgate da Alma, partilhava com os meus clientes histórias muito detalhadas sobre o que lhes causava as perdas de partes de alma. Via as roupas que o meu cliente vestia na altura do trauma, o que era normalmente confirmado pelo cliente. Recebia longas mensagens sobre o trauma e, depois, histórias de cura sobre os dons que essas partes resgatadas traziam ao cliente.

Com o passar do tempo, percebi que os clientes e estudantes ficavam perdidos nas histórias, em vez de se focarem em absorver a luz, o poder e os dons da essência da alma que regressara.

Na altura, ninguém estava na internet. Então, semestralmente escrevia newsletters sobre o Resgate de Alma e enviava-as aos alunos que as subscreviam. Também acrescentei um novo prefácio e posfácio ao meu livro Soul Retrieval: Mending the Fragmented Self (sem tradução em português).

Numa das newsletters escrevi sobre esta questão e o conselho dos meus espíritos auxiliares para corrigi-la. Os meus auxiliares pararam de me dar detalhes de alguma história antiga na qual o cliente pudesse ficar preso. Em vez disso, começaram a focar-se nas histórias de cura dos dons que iam sendo resgatados e do que o cliente tinha de ver agora.

Nos tempos em que vivemos atualmente, não precisamos de mais trauma a ancorar-nos ao passado. Os Resgates de Alma trazem-nos de volta a essência que, por sua vez, traz a saúde vital do cliente. É a energia que é trazida, não as palavras ou a história que cria mudanças positivas na vida de um cliente.

Escrevi sobre a mudança do meu trabalho nas newsletters sobre o Resgate de Alma e fiquei impressionada com as respostas. Na mesma altura em que mudei o meu trabalho, grande parte dos praticantes que ensinei também foram guiados para mudar o seu trabalho. Recebemos, coletivamente, a mesma orientação! É incrível como os espíritos auxiliares trabalham!

Foi uma grande mensagem e ensinamento para mim, num momento em que continuamos a incorporar os métodos espirituais antigos na nossa cultura moderna. Podemos ficar presos nas nossas cabeças e querer compreender demasiado de forma racional. A informação não cura, a energia sim. Em contraste, as pessoas nas culturas indígenas só querem absorver as energias de cura.

Vejo-o agora a acontecer com o nosso trabalho xamânico e cerimonial. As pessoas passam muito tempo na sua mente racional, a ver apenas através dos olhos do ego e à espera de compreender as mensagens que são dadas nas viagens xamânicas, em vez de perceberem o poder da transmissão energética da comunicação.

Acredito, verdadeiramente, que as pessoas que querem mudar para uma “nova frequência” de trabalho com energias e canções vibracionais mais elevadas estão a mudar e a evoluir de uma forma semelhante à da Terra.

Há muitas teorias sobre divisões em dimensões. As pessoas que escolhem ficar presas na vibração do medo, ódio e separação acabam por separar-se da dimensão das pessoas que escolhem uma onda diferente, de uma frequência mais elevada.

Há vários anos que tenho vindo a escrever nesta coluna sobre como a minha professora espiritual Isis continua a avisar-nos para escolhermos a onda que queremos surfar, ou seja, a dimensão da realidade na qual escolhemos viver.

Nesta onda de consciência mais elevada, acredito que iremos entrar numa nova forma de abrirmos os nossos sentidos para que muita da nossa comunicação seja ao nível psíquico e através da transmissão de energia.

Porque quando nos focamos em demasiadas palavras, perdemos o sentido do nosso trabalho espiritual e do dom que ele nos dá.

Tentem passear na natureza e não falem para outros seres da natureza que encontrem pelo caminho. Apenas transmitam amor e luz radiante. Percebam a transmissão de energia que recebem. Aposto que é muito mais profunda do que qualquer palavra. A vossa consciência e perceção de vida irá mudar se o fizerem.

Experimentem fazer algumas viagens xamânicas em que permanecem em silêncio com os vossos espíritos auxiliares e vejam o que transpira através da vossa energia partilhada. Libertem-se da necessidade de mais mensagens e palavras. Observem a transformação que está a acontecer dentro de vocês.

Suspeito que irão sentir-se mais claros, em paz, radiantes, mais conectados à vida e mais enraizados na Terra.


Em relação a entrar em diferentes dimensões da realidade, orientei o curso de 7 semanas “Shamanic Journeying with the Spirits of Nature: Building Strong Reciprocal Healing Relationships with Animals, Trees, and Other Allies in the Middle World” (sem tradução em português).

Neste curso, partilhei como nas culturas xamânicas cada ser vivo que vivia na sua paisagem era um parente. Havia conversas contínuas entre pessoas, plantas, pedras, árvores, animais, insetos, pássaros, entre outros. Porque cada coisa que vivia no ambiente era família.

Fiquei tão feliz por ver quantas pessoas acordaram para um estilo de vida completamente diferente por conversarem com as árvores e outros seres da natureza, ouvindo-os também. Muitas vezes pedimos um sinal ou uma mensagem, em vez de passarmos tempo a conversar com a natureza como se fosse uma amiga ou familiar, como perguntar a uma árvore como foi o seu dia.

Reparei como as pessoas que entraram nesta nova dimensão não se sentiram invadidas pelas energias coletivas mais densas devido a um novo sentido da realidade que se abriu para elas – cheio de beleza, alegria e uma riqueza de partilhar amor com a natureza, além da bondade a ser mostrada a todas as formas de vida. Sinto que muitas pessoas, realmente, se abriram e entraram numa nova evolução de consciência. A transformação a que assisti foi impressionante. Enchemo-nos de beleza e, assim, conseguimos perceber a beleza na vida.

Claro que houve aqueles que se perderam no aspeto sofredor de como tratamos outras formas de vida. A vários níveis, vivemos em tempos bárbaros, especialmente na forma como tratamos a natureza. Temos muito trabalho de cura a fazer a este nível. Eu própria entro e saio deste estado algumas vezes.

Mas estarmos aptos a envolver todas as formas de vida em amor, gentileza, honra e respeito muda o campo de energia.

E como as forças destrutivas no planeta também alimentam o coletivo com tanta raiva e separação, temos mesmo de continuar com o nosso trabalho para inundarmos o coletivo com amor e luz. De outra forma, não acredito que consigamos ver mudanças positivas. Mas haverá pessoas que irão, organicamente, mudar para uma nova evolução de consciência ao estarem numa conexão tão profunda com a natureza.

No Facebook, algumas pessoas têm publicado um vídeo maravilhoso. Considero que capta totalmente o que ensinei no curso e ao longo dos anos com Medicina para a Terra. É um vídeo sobre uma bonita mulher dos Lakota que partilha a sua experiência de falar com a água.

O curso é fabuloso e eu transformei-o muito com o passar do tempo. Sinto que entrei num verdadeiro fluir de amor entre mim, a natureza e as forças criativas do Universo que trazem novas energias de cura à minha vida. Acredito, profundamente, que este trabalho devia ser ensinado antes de se aprender a viagem xamânica para trabalhar com os espíritos auxiliares.

Organizei um grupo mensal, durante seis meses, para continuar a explorar este trabalho mágico. O curso de seis meses será incluído no curso inicial de 7 semanas para os que estejam interessados em explorar a beleza da natureza e a comunicarem com os seres da natureza. Seja a viver numa cidade ou nos subúrbios, estas práticas são transformadoras e trazem uma sensação de paz profunda. Ainda não tenho um link para mais informações, mas enviarei um e-mail quando tiver mais informações sobre o curso e a forma de inscrição.

A lua cheia é a 18 de Maio. Assegurem-se de que fazem o vosso trabalho de movimento para o vosso ser espiritual e para um lugar sagrado. Viagem interiormente para a verdade de quem são. Por detrás dos vossos sentimentos e pensamentos, são puro espírito, luz divina e amor incondicional. Esta é a energia que transportam. Agora, juntemos as nossas energias de luz e transmitamos, irradiemos, emanemos luz dentro e através desta grande Terra. Continuemos a tecer uma bonita teia de vida que abraça cada ser na Terra.

Se são novos leitores da Notícias de Transmutação, por favor visitem “Creating a Web of Light” na página principal para verem as instruções das nossas cerimónias da lua cheia.

Numa destas manhãs acordei com uma mensagem poderosa: é altura de correr em direção ao trabalho, em vez de fugirmos dele, pois desta forma conseguimos plantar sementes para as gerações futuras!

Transmutation News – April 2019 – Portuguese

Transmutation News Abril de 2019

Nos últimos meses tenho escrito posts no Facebook a descrever algumas das experiências incríveis que tenho tido durante a noite. Tenho partilhado essas ideias convosco na newsletter Notícias de Transmutação, já que muitos não estão no Facebook.

Aqui está a publicação que partilhei recentemente:

Tenho tido as minhas visões mais profundas à noite. No último ano, tenho recebido visões e poderosas transmissões espirituais que afetam profundamente o meu corpo.

No ano passado, publiquei em várias páginas do Facebook muitas das transmissões que recebi de um grupo de espíritos aos quais chamo The Ancient Ones. As transmissões, mensagens e curas que recebi ainda estão a ressoar através do meu corpo.

Na noite passada, a meio da noite, fui acordada por um barulho. Não consegui voltar a dormir. Apenas me mantive quieta na cama.

De repente, encontrei-me a flutuar no Universo. Trabalho bastante no Vazio e é o território onde faço o meu trabalho de criação e de manifestação.

O território onde estive ontem à noite era tão parecido com o Vazio, mas tinha uma qualidade diferente. Eu estava simplesmente a flutuar no amor universal. Vi, senti e ouvi que as energias universais das quais toda a vida nasce são puro amor incondicional. O universo está sempre a cantar canções de amor para nós. O amor infundiu todas as células do meu corpo enquanto eu, simplesmente, flutuava pelo universo. Não havia espíritos ou seres. Estava apenas num campo puro de amor.

A canção e a música que ouvi eram muito semelhantes à música que ouvi quando tive uma experiência de quase morte por quase me ter afogado no oceano.

O que a transmissão me trouxe foi em quanto amor incondicional estamos a ser mantidos. E estamos a ser cantados a cada minuto das nossas vidas.

Não vos consigo transmitir o extraordinário desta experiência!

Mas deixou-me com estas questões:

Por que razão os humanos não recebem este amor que está por aí 24 horas por dia, sete dias por semana e porque não ouvimos a música e as canções de amor, vida e criação?

E como começamos a utilizer este amor do Universo para inundar o nosso denso coletivo atual? Como continuo a partilhar, os xamãs são jardineiros de energia. Como cultivamos este tipo de amor no nosso coletivo?

Bem sei que é algo que devo perseguir. Porque se consegussem sentir o que eu senti na noite passada, saberiam que nos está a falhar muito da magia da vida!

Um dos temas que eu e a Renee estamos a abordar no programa The Shamans Cave é a importância de compreender o poder e o significado das histórias de criação. Nas culturas xamânicas foram as histórias de criação que criaram o mapa para a comunidade, assim como para os xamãs conhecerem os passos de viver uma vida harmoniosa e, também, formas de criar cerimónias para cura. As histórias de criação ajudam-nos a definir o nosso papel na vida e a partilhar connosco valores que devemos fazer por manter.

Quando vocês entendem a canção da criação e como as forças criativas do Universo vos criaram, então têm uma melhor compreensão das vibrações e das energias necessárias para infundir um novo mundo de substância.

Nos anos 90, enquanto escrevia Medicine for the Earth: How to Transform Environmental and Personal Toxins, partilhei a importância de viajar/meditar para aprender sobre a própria história de criação que tem significado para vocês. Continuo a escrever sobre certas histórias nos meus últimos livros, incluindo Walking in Light: The Everyday Empowerment of a Shamanic Life.

Acredito, realmente, que aprender uma história de criação é necessário para abraçar totalmente a prática da transfiguração. Se vocês não sabem qual é a vossa Fonte, como experimentam a Fonte dentro de vocês? Sem ter mais de uma experiência sensorial da Fonte, a prática torna-se mais um entendimento racional. E os conceitos mentais em torno do que é transfigurar-se na vossa divindade não têm o combustível ou a energia para criar a vibração da nova vida, onde o nosso trabalho tem os efeitos generalizados que todos esperamos. O nosso trabalho precisa de ser infundido com a verdadeira experiência física da Fonte, Deus, a deusa ou o poder criativo do universo.

Reservem um tempo e façam uma viagem, meditem ou façam algumas anotações automáticas para explorar a vossa história de criação.

Quem vos criou e à vida na Terra?

Obtenha uma experiência de quão expansiva é a energia da criação. A energia é infinita e não tem limites.

Sintam o amor que entrou na vossa criação.

Experimentem a luz da criação e, em seguida, viajem para encontrar a Fonte do vosso próprio brilho interior.

A lua cheia é a 19 de abril. Vamos unir-nos depois de experimentar as energias amorosas do poder do Universo e trazê-las através da criação de uma rede radiante de luz dentro e por toda a Terra.

Se são novos leitores da Notícias de Transmutação, por favor, vejam “Criar uma teia de luz humana”, na página inicial do site, com instruções para a nossa cerimónia mensal.

Josephine, na nossa comunidade global, deu-me um feedback maravilhoso depois de eu ter publicado a prática de Tracy Shulsinger na Notícias de Transmutação de março. Antes, a Josephine tinha partilhado comigo um trabalho muito interessante. Adoro a dedicação dela à busca e à sua prática xamânica. Obrigada Josephine por tudo que faz! Aqui está o que ela partilhou comigo:

“Em 1969, visitei um jardim da paz japonês em Hiroshima. Foi incrível. Nenhuma sugestão de “Veja o que nos fez”. Nenhum desejo de nos fazer sentir vergonha ou arrependimento. Paz e harmonia e, claro, beleza requintada. Naquela altura, normalmente eu não sentia nada – nem dor nem alegria. Mas em Hiroshima senti a alegria que vem com paz e harmonia ”.

A Josephine continuou a partilha:

“A abordagem xintoísta consiste em: antes de embarcarem em qualquer projeto para criar um edifício ou jardim, discutem com os Kami, (semelhantes aos nossos Cuidadores da Terra) e com as plantas, árvores e pedras que farão parte do projeto; depois, fazem cerimônias para o sucesso do projeto. No final, também fazem cerimónias em gratidão pela conclusão bem sucedida. ”

A Josephine acredita que existem outros jardins a serem criados desta forma por todo o mundo. Mas eu queria plantar convosco a semente do Jardim Japonês de Cura e a abordagem xintoísta de trazer a cerimónia para qualquer jardim que criem.

Quando nos perguntamos “o que podemos fazer?”, a ideia de Jardins da Paz inspira-nos a ver que há muitas maneiras de elevar a consciência e de trazer harmonia às comunidades do mundo. Realmente, podemos tornar-nos jardineiros xamânicos, prestando um enorme serviço ao criarmos Jardins de Paz nas nossas comunidades.

Transmutation News – March 2019 – Portuguese

Transmutation News Março de 2019

Eu e a Renee Baribeau demos uma entrevista a Michael Sandler no programa “Inspire Nation”. Foi uma ótima entrevista na qual cobrimos muitos tópicos sobre xamanismo e como fazer cerimónias. Se quiserem ouvir, este é o link: https://youtu.be/6gd5FwlQib0

Tenho gostado muito de facilitar os meus cursos online. Faço-o há vários anos. Estes cursos não substituem um workshop presencial, onde se pode construir um sentido de comunidade mais profundo a dançar, cantar, rir e a fazer cerimónias. No entanto, no mundo atual, os cursos online são uma oportunidade para as pessoas que não podem viajar.

Tenho aprendido mais sobre a forma de ensinar xamanismo ao estar no Facebook há anos e ao ler todas as publicações e perguntas dos participantes dos meus cursos.

Tenho sido capaz de identificar, claramente, onde muitos estudantes estão a ficar presos quando aprendem a viagem xamânica. A peça que falta – e que as pessoas não estão a conseguir apanhar – é o poder de construir relacionamentos incrivelmente fortes e de longo prazo com os espíritos auxiliares. A chave para uma prática xamânica profunda é encontrar um espírito numa viagem e olhar profundamente nos olhos dele, sentindo o poder da sua respiração, abrindo os ouvidos invisíveis para ouvir mensagens inspiradoras e receber ajuda de cura.

No Ocidente, em vez de reservarem tempo para construir um relacionamento forte como fariam com a pessoa mais importante das suas vidas, os novos praticantes de xamanismo voltam da viagem e perguntam imediatamente aos outros por que razão um espírito guardião se apresentou como um aliado, assim como pedem interpretação do que foi mostrado na viagem.

Este comportamento estabelece um caminho sem saída no xamanismo, pois mais ninguém pode interpretar o significado de um relacionamento tão sagrado a não ser o próprio.

Tenho trabalhado com os meus espíritos auxiliares há tanto tempo que eles são os únicos seres a quem me dirijo com perguntas, ajuda para cura e sugestões de cerimónias para realizar. Falo com eles durante todo o dia, como faria com os meus melhores amigos.

Podemos sentar-nos junto de uma árvore e pedir uma mensagem ou alguma orientação. Mas são raras as pessoas que visitam uma árvore todos os dias durante um ano, conhecendo-se e tornando-se aliados um do outro.

O que aconteceria se construíssemos e estabelecessemos relações fortes com outras espécies? Acredito que aprenderíamos a viver em harmonia e a elevar a nossa consciência para modos de vida mais saudáveis e gentis.

Podem começar com uma planta nas vossas casas. Visitem-na diariamente e criem uma relação com ela. Podem não ouvir palavras faladas no vosso idioma. Mas, ao longo do tempo, aprenderão uma linguagem partilhada que infundirá nas vossas vidas um sentimento de admiração. Poderiam começar a vossa prática com uma pedra ou rocha ou visitar a vossa árvore favorita todos os dias. Falem com a água que bebem e com a qual se lavam todos os dias. Estas são apenas sugestões.

A juntar a tudo isto, descobri que quando ensinei pela primeira vez a prática da transfiguração, as pessoas não estavam realmente conectadas com a Fonte de Luz que vive dentro delas e que é a nossa identidade autêntica. Pude ver que as falhas e os atalhos de muitos estudantes nasceram por não saberem sobre a sua própria história de criação. Se não têm um forte relacionamento com o divino e com a Fonte, a transfiguração pode tornar-se num conceito mental e perder o poder de transmutar em luz dourada a pesada consciência.

Para que aprofundem o vosso trabalho, desejo plantar a semente da necessidade de construir relacionamentos mais fortes com a Fonte e com os nossos espíritos auxiliares. E de aprendermos a linguagem dos seres na natureza, pois juntos estamos entrelaçados na teia da vida!

Este trabalho elevará a vossa consciência para um belo lugar onde se pode recuperar a harmonia entre os seres humanos e todas as formas de vida. Além disso, também não nos concentramos tanto no resultado do nosso trabalho porque estamos imersos em tal magia, maravilha e admiração, que aprendemos a viver plenamente no presente.

Como partilhei em colunas anteriores, estou muito orgulhosa do trabalho dos professores que formei e que estão listados em www.shamanicteachers.com. São professores que estão a facilitar workshops exclusivos e a partilhar ferramentas inspiradoras para ajudar nestes tempos.

Tracy Shulsinger é uma dessas professoras. Adoro o trabalho que está a fazer. Recentemente, em conversa, partilhou comigo uma prática maravilhosa. Considero que é uma prática brilhante e sinto que é perfeita para receber no equinócio. Tece, de uma forma bela, o meu ensinamento de que os xamãs são jardineiros de energia.

Congratulamo-nos com o equinócio da Primavera / Outono a 20 de março. Segue-se o que a Tracy partilha com a nossa comunidade global.

Jardins Xamânicos de Paz

No início de janeiro de 2019, juntei-me com o meu círculo de viagem xamânica mensal e perguntámos aos nossos guias: “Que intenções ou foco contribuem para o meu bem maior em 2019?”

Recebi várias respostas bonitas e emocionantes e gostaria de compartilhar uma delas convosco.

Os meus espíritos auxiliaries disseram-me:

“Chegou a altura de te aventurares mais no mundo. Precisas de te envolver mais com o que está a acontecer no mundo e não evitar ouvir sobre os eventos com medo que te possam afetar. Quando ouves sobre algo que está a acontecer no mundo e que te causa incómodo ouvir, em vez de recuares e evitá-lo, aprofunda-te na situação e planta jardins xamânicos de paz. Os jardins xamânicos de paz ajudarão a trazer uma vida harmoniosa e bela para a situação e para as pessoas envolvidas. Enquanto limpas os detritos da Terra, também estás a limpar os escombros da situação. Ao cavares um buraco na Terra, estás a cavar fundo na situação para te conectares com ela. Ao plantares uma semente na Terra, estás a inserir um tipo diferente de energia na situação – um tipo de energia que ajudará a mudar, superar e plantar beleza e paz nesses locais. Ao cobrires o jardim com terra, estás a enraizar e a ancorar a situação com essa nova energia. Ao regares o jardim várias vezes, estás continuamente a nutrir e a amar as pessoas e a situação.

Para plantares jardins de paz xamânicos, visualiza a situação e depois passa pelo processo de plantar um jardim. Primeiro, limpa o solo, limpando qualquer detrito sobre o solo. De seguida, cava um buraco. Depois, coloca as sementes no buraco. Finalmente, cobre as sementes com terra e rega o jardim da paz. Volta para o jardim da paz todas as vezes que ouvires ou pensares sobre a situação e derrama água amorosa no jardim para ajudar a paz, o amor e a beleza a crescerem continuamente.

A visualização do jardim xamânico da paz pode ser feita durante uma viagem xamânica, mas, na verdade, é para ser feita durante momentos da realidade comum, quando estamos ocupados com atividades do dia-a-dia. Se ouvirem uma reportagem trágica, em vez de mudarem de canal, considerem escutar totalmente, sentir todos os sentimentos que surgirem e, de seguida, verem-se no local a plantar um jardim da paz. Isso leva a prática xamânica para o mundo! Além disso, quando ficam com os vossos sentimentos e, nesse momento de intensidade, empregam essa intensidade para energicamente apoiar o jardim da paz e, assim, a situação, há maior poder por detrás da vossa ação amorosa e maior poder para transformar as vossas emoções.”

Fiquei tão aliviada por receber esta prática. Durante anos, senti-me culpada por evitar os eventos atuais e as notícias, mas senti que era necessário para o autocuidado, pois teria pesadelos e ruminações constantes sobre o sofrimento do mundo. Percebi que o meu próprio sofrimento não estava a ajudar ninguém, então é melhor espalhar alegria no mundo sentindo-me alegre interiormente. Mas essa solução nunca pareceu muito certa – eu estava, na verdade, a contornar a vida e os meus sentimentos vezes sem conta. Agora, com a prática dos jardins xamânicos de paz, posso envolver plenamente a palavra, proteger-me por estar na energia dos jardins da paz e ajudar a levar a energia da vida, amor e beleza aos lugares e pessoas do mundo que precisam dela. As práticas são mais eficazes quando repetidas – a energia cresce, assim como os vossos belos jardins da paz ao longo do tempo!

Com amor,

Tracy Shulsinger

Tracy Shulsinger é uma professora e praticante xamânica em Boulder, Colorado. Orienta mensalmente um grupo de viagens xamânicas, ensina os alunos a tornarem-se praticantes xamânicos e realiza sessões individuais de cura.

Para mais informações, consultem: http://shamanism.thehealingcollective.us

A lua cheia é a 21 de março. Podemos tecer esta linda prática que Tracy partilhou na nossa cerimónia de criação de uma teia humana de luz. Vamos continuar a construir uma relação mais forte com a luz divina que também brilha dentro de nós. E vamos transfigurar e irradiar essa luz dentro e por toda a Terra.

Se são novos leitores da Notícias de Transmutação, por favor, vejam “Criar uma teia de luz humana”, na página inicial do site, com instruções para a nossa cerimónia mensal.

Também quero anunciar que a Tatiana Starikova se ofereceu para manter as traduções russas da newsletter The Transmutation News. É maravilhoso podermos trazer os leitores para o trabalho que estamos a fazer. Vamos unir-nos para agradecer à Tatiana pela sua generosidade de espírito!

Desejo a todos, na nossa comunidade, um bonito equinício!!

Transmutation News – February 2019 – Portuguese

Transmutation News Fevereiro de 2019

Em janeiro, tive a oportunidade maravilhosa de fazer o programa de Ano Novo no Winter Solstice Summit da Renee Baribeau. A conversa e a prática que orientei foram muito bem recebidas. Se quiserem assistir à minha apresentação, podem fazê-lo aqui:

Os últimos anos foram repletos de tantas mudanças e esculpiram partes antigas da minha personalidade que não refletem mais quem sou agora. Muitos de nós estamos a experienciar a morte do que é familiar, do que sabemos e daquilo com o que podemos contar.

Isto leva-nos à linguagem da Natureza e aos ciclos de morte e renascimento.

A minha vida, mesmo antes de começar a praticar xamanismo, foi preenchida com um profundo desejo de fazer as pessoas sentirem-se amadas e dignas de estarem aqui. Sempre senti – e ainda sinto – muito amor incondicional pelas pessoas e, claro, por toda a vida. Ao mesmo tempo, dou por mim a fazer a dança paradoxal de “ser” amor enquanto o meu ego/personalidade continua a resvalar para a separação e para o julgamento.

Continuo a ensinar, continuo a tentar cantar a minha música autêntica no mundo. Mas fico tão envolvida nos fatos de que:

Há demasiadas pessoas no planeta.

Os seres humanos estão a fazer uma escolha para dar à luz bebés e, depois, alimentá-los com água, ar e comida poluídos. Os bebés nascem com doenças que nenhuma criança ou família deveria experimentar.

Os seres humanos estão a perder todo o sentido de humanidade.

E a maioria dos seres humanos não conhece a linguagem da Natureza. E como pode uma espécie sobreviver se não aprende a sua língua materna? Como aprendemos a sabedoria da Natureza, que nos proporciona vida, em vez de nos sentirmos como as espécies mais evoluídas e dominantes sobre a Natureza e a própria vida?

Enquanto penso interminavelmente nestas coisas, dou por mim a ser fortemente chamada por dentro. As ruminações da minha mente não são produtivas.

As minhas palavras de inspiração, de alguma forma, começam a parecer insignificantes. Ao mesmo tempo, energias espirituais aproximam-se de mim, dançando comigo, indo e voltando, partilhando informações místicas sobre o sim, o processo de deixar ir, mas também sobre os milagres que são possíveis através das práticas realmente antigas do xamanismo – não as práticas e cerimónias superficiais que fazem com que todos se sintam bem por um curto período de tempo.

Para que estes milagres aconteçam, passamos por uma morte. Porque, agora, uma parte do coletivo está apenas a cantar cânticos de desmembramento – sem perceber o poder das suas palavras e pensamentos. Não temos mais as nossas Histórias da Criação, que nos ensinam a cantar intenções e cânticos de criação e renascimento.

É importante, ao enfrentar a morte e o desmembramento, dizer adeus ao que já não serve. E então é hora de mergulhar interiormente e cultivar e cuidar da paisagem interior através de um profundo trabalho espiritual. Plantem as sementes de texturas, cores, sabores, sons, sentimentos, visões e até mesmo boas lembranças que vos ajudem a recordar como criar e voltarem a envolver-se totalmente na vida.

O coletivo está a separar-se em diferentes dimensões da realidade. Ou, como tenho vindo a escrever há anos, todos estamos a ser confrontados com diferentes ondas para surfar.

Para aqueles que querem juntar-se ao processo de recordar, este é um momento para concentrar as vossas energias de maneiras que talvez não tenham escolhido antes.

Em janeiro, tive uma viagem muito poderosa e uma mensagem muito diferente dos espíritos. Lembraram-se como as pessoas que viajam às diferentes espécies na natureza continuam a receber a mensagem de que existe compaixão por nós à medida que evoluímos e crescemos para o nosso eu maior.

Se a Natureza é compassiva e nós somos Natureza (não estamos ligados à Natureza), então o que diz ela sobre a nossa própria natureza essencial?

Isto está a ajudar-me com alguns dos meus julgamentos. Mas é um trabalho em evolução, o de aprender a ser compassiva comigo mesma!

Continuo a repetir continuamente que os xamãs são jardineiros de energia. Quando os espíritos auxiliares partilharam esse ensinamento comigo, toda a minha compreensão das práticas xamânicas e da cura mudou. Ao compreendermos plenamente que somos apenas energia e, como praticantes xamânicos, só trabalhamos com energia, temos mais opções do que apenas se olharmos para a morte das formas como estamos a olhar hoje. Estamos a lidar com os pensamentos que se formaram através de pensamentos errados e não evoluídos. Acreditamos que temos inteligência para encontrarmos solução para tudo. E não temos.

Na realidade, nem sabemos pelo que orar. Porque desconhecemos a linguagem que tornaria as nossas orações uma realidade. Refleti profundamente sobre o seguinte: quando as palavras de poder que servem a vossa intenção não vêm, permaneçam em silêncio e deixem o vosso coração falar.

É imperativo para nós, neste momento, deixar ir e, até, deixar de pensar sobre o rumo que o mundo e as nossas vidas estão a tomar. Este é um momento para ficar em silêncio, rezar, realizar as cerimónias com o máximo de combustível energético que pudermos e deixarmos a sabedoria dos nossos próximos passos revelar-se simplesmente.

Acreditem que irá revelar-se! Faz parte de nos deixarmos fluir. Quando nos permitimos fluir, todos os próximos passos da nossa prática e ações se revelam.

Se tudo é energia, pensem na energia necessária para transformar a energia do coletivo atual. Perguntem-se: estão a colocar a energia necessária para que seja, totalmente, uma força transformadora?

Se não, então é sobre isto que devem refletir este mês.

A lua cheia é a 19 de fevereiro. Vamos elevar a nossa energia para experienciarmos a profundidade da luz transformadora que podemos irradiar dentro e por toda a Terra. Podemos, realmente, inundar todas as formas de vida e a Terra com luz radiante, alimentando a energia do novo nascimento, vida e criação.

Se são novos leitores da Notícias de Transmutação, por favor, vejam “Criar uma teia de luz humana”, na página inicial do site, com instruções para a nossa cerimónia mensal.

No mês de fevereiro, muitos celebram o Dia de São Valentim. É um dia para celebrar o amor!

No xamanismo, a reciprocidade é uma das práticas mais importantes nas quais nos podemos envolver. Por exemplo, a Natureza gosta que se cante. Quando se encontra uma linguagem comum entre duas espécies diferentes e se cantam canções de amor reciprocamente, a magia acontece.

Continuemos a partilhar o nosso amor com todas as formas de vida. Cantem canções de amor e ouçam as canções que vos são cantadas em retorno!

Procuramos um novo voluntário para as traduções em russo. Se alguém se quiser voluntariar, por favor contacte info@sandraingerman.com (este não é um email para mensagens pessoais).

Transmutation News – January 2019 – Portuguese

Transmutation News Janeiro de 2019

Há sempre um sentimento de esperança quando entramos num Novo Ano. A esperança brilha quando percebemos que temos novas oportunidades de cura, crescimento e mudança.

Há sempre novas portas e aberturas nos campos coletivos de energia que permitem encontrar ajuda espiritual para a transformação. Mas muitos de nós esperam para ver quem aparece para ajudar, em vez de procurarmos realidades escondidas e pouco visitadas. Nestes territórios invisíveis, existem aliados poderosos muito antigos que estão prontos para ajudar se os procurarmos, fizermos as perguntas certas e aprendermos a trabalhar com eles.

Cada vez mais estudantes partilham comigo que transportam as energias dos Antepassados para o mundo. E há tanto conhecimento à espera para auxiliar se dermos o primeiro passo ao procurá-lo.

Ao longo dos anos tenho escrito que o comportamento inconsciente dos seres humanos recua ao princípio básico de que a maioria de nós não recebeu o tipo de amor nutritivo que nos ajudaria a crescer e a tornarmo-nos pessoas maduras que se honram a si, aos outros e a toda a vida.

Se tivéssemos experimentado, realmente, o amor incondicional que entrou na nossa criação, carregaríamos organicamente as energias do amor, da luz, da honra e do respeito para cada ação que tomamos, em todas as atividades e nas interações com os outros.

Viemos aqui para nos recordarmos do poder do amor e da luz.

Primeiro, temos de começar connosco e reaprender a mantermo-nos no amor incondicional. Só então temos a oportunidade de poder fazer o mesmo com os outros.

Sabemos da necessidade de abrir a caixa em que nos colocámos e aprendermos a linguagem da Terra e da natureza. Encontrem um ser que vos chame na natureza – uma rocha, folha, erva, árvore, rio, etc. Sejam amigos desse ser. Deixem-no onde está, mas façam o esforço de visitá-lo diariamente e de lhe contar o vosso dia. Conversem com ele como se fosse um amigo.

Observem se esse ser da natureza com o qual estão agora em relação começa a partilhar alguma coisa. Leva tempo a construir uma ligação com a natureza, pois temos de nos abrir a um novo modo de pensar e a uma nova linguagem, à medida que nos relacionamos com outras espécies com as quais compartilhamos o planeta Terra. Mas que prática adorável. E vejam onde isso vos leva ao longo do tempo. Provavelmente, irão perceber que abrem um relacionamento mais profundo convosco e também com a Natureza. Aprendam a linguagem da Natureza e observem como mudam.

Que maneira incrível de acolher o Ano Novo. Também podem pensar na realização de uma cerimónia para libertar a dor que estão prontos a largar e definir a vossa intenção de acolher esperança e outras possibilidades de novos começos. Em vez de se concentrarem no resultado desejado, concentrem-se em como desejam aprofundar o vosso trabalho. Isso conduzirá ao melhor resultado para todos.

A Lua Cheia é a 21 de janeiro.

Vamos abrir-nos ao amor incondicional do poder do universo e da Fonte e irradiar belas frequências de luz e amor que se entrelaçam numa teia de luz brilhante que abraça, apoia e honra todas as formas de vida.

Se são novos leitores da Notícias de Transmutação, por favor, vejam “Criar uma teia de luz humana”, na página inicial do site, com instruções para a nossa cerimónia mensal.

Desejo tudo de bom para todas as formas de vida ao entrarmos no Ano Novo!

Transmutation News – December 2018 – Portuguese

Transmutation News Dezembro de 2018

Como partilhei no mês passado, tenho tido poderosas experiências com um grupo de espíritos muito antigos a quem chamo “Ancient Ones”, por falta de um termo melhor.

Estão a dar-me muito sobre o que refletir e acolher. Quando partilham informação comigo, primeiro ela surge através de uma sensação corporal e só depois surge com poucas palavras (as suficientes para captar o sentido).

Recentemente sinto que me têm estado a ensinar sobre como Transportar o Poder.

Os espíritos com os quais estou agora a trabalhar são velhos, antigos, bonitos e amorosos. Mostraram-me como, em termos universais, estamos verdadeiramente aqui por um curto período. Eu sei que as pessoas usam esta frase constantemente. Mas realmente sinto como, em comparação com milhões de anos, estamos aqui por menos de um segundo.

Estes espíritos também me ajudaram com a minha dor maior. Devotei a minha vida adulta a ensinar xamanismo. Tenho observado como, através da popularidade do xamanismo, a prática se tornou enfraquecida, o que está a tirar o grande poder desta “medicina” para os tempos em que vivemos.

A mensagem que os espíritos auxiliares me deram foi: “Tu não podes ensinar as pessoas a transportar uma magia que elas não têm. Quando as pessoas encontrarem a magia, elas irão transportá-la.”

Esta mensagem deu-me a paz que tenho procurado. Bem sei que as pessoas irão encontrar a medicina verdadeira e transportá-la quando for verdadeiramente necessária para a sobrevivência.

A mensagem deu-me paz e conforto porque entendo que o tempo, agora, é de me focar mais em ensinar às pessoas ferramentas para viverem a vida como tenho escrito nesta coluna desde 2000. Isto é o que as pessoas na nossa cultura precisam, pois nunca aprendemos dos antigos como nos comportarmos energeticamente neste mundo com palavas, pensamentos e sonhos acordados, nem sequer aprendemos sobre as nossas forças, dons, sombras e fraquezas.

Por isso, é importante que comecemos por aí antes de aprofundarmos o trabalho xamânico.

Recentemente foi-me mostrada, para ensinar, uma nova forma de encontrar e trabalhar com os espíritos compassivos. E isto recua ao tema com o qual estou a trabalhar sobre transportar Poder, Amor e Luz.

No mundo Ocidental, ensinamos as pessoas a fazerem viagens e a pedirem um animal de poder como guia espiritual ou um professor em forma humana nos mundos invisíveis. E depois conhecemos pessoas que gostam de ir a correr ver o significado dos seus espíritos auxiliares em vez de aprenderem com o próprio espírito auxiliar.

Recebi um novo protocolo para viajar xamanicamente e gostava que o experimentassem este mês. Sinto que é uma forma poderosa de entrarmos no Novo Ano.

Deixo-vos os passos. Claro que podem querer tocar tambor e maraca, cantar e dançar ou encontrarem a forma como gostam de trabalhar.

Perguntem se há um espírito auxiliar que se voluntarie a deixar-vos entrar no seu campo de energia.
Perguntem ao espírito auxiliar que tipo de poder ele ou eles carregam.
Perguntem ao espírito auxiliar se têm permissão para carregar esse poder.
O que significa carregar o poder e/ou o poder do espírito auxiliar?

Claro que esta prática vos irá levar a uma relação profunda com o espírito auxiliar. E devem fazer o mesmo com cada espírito auxiliar com quem trabalhem.

Na verdade, os xamãs sempre carregaram o poder dos seus espíritos auxiliares nos seus corpos. Em algumas culturas xamânicas clássicas, com permissão e através de atos sagrados, os xamãs comiam a carne de um espírito auxiliar. Isto é muito comum, especialmente quando trabalhavam com plantas – comer um bocado de uma planta cuja medicina carregam.

Mas, no mundo de hoje, chamamos os espíritos auxiliares de forma a estarem separados de nós. Só que, na realidade, não estamos separados. Carregamos o poder deles para um propósito particular e para partilhar os dons, forças e tratamentos com a comunidade.

É uma nova forma de pensar sobre o contacto com os espíritos auxiliares. Quem quererá consultar um livro sobre os animais de poder para ver o significado quando pode ter uma experiência tão profunda ao conseguir a verdade do relacionamento por si próprio?

Ao celebrarmos o solstício de inverno / verão permitam-se refletir nesta mensagem:

“A luz do sol está em tudo. Carregamos a luz do sol”.

Espero que aqueles de vocês que possam comprar uma cópia do livro The Book of Ceremony: Shamanic Wisdom For Invoking the Sacred into Every Day Life (sem tradução em português) possam aproveitar as sugestões para fazerem a vossa própria cerimónia de solstício na vossa comunidade. Se não puderem ler o livro, por favor façam uma viagem xamânica para encontrarem a cerimónia que podem partilhar com os vossos entes queridos, amigos ou na vossa comunidade.

Chegou a altura de todos nos chegarmos à frente e trazermos mais empoderamento e ferramentas inspiradoras à nossa comunidade. Realizar cerimónias é um ato sagrado.

A lua cheia é a 22 de dezembro. Foquemo-nos em transportar a nossa luz para o mundo como fazemos na nossa prática de transfiguração. Assim tecemos uma bonita teia de luz dentro e além da Terra.

Se são novos leitores da Notícias de Transmutação, por favor, vejam “Criar uma teia de luz humana”, na página inicial do site, com instruções para a nossa cerimónia mensal.

Por favor, juntem-se a mim nos agradecimentos aos tradutores, que ajudam a que tantas pessoas entrem na nossa comunidade e possamos trabalhar juntos. Coloquemos uma bênção especial para eles no nosso altar e quando realizarmos cerimónias. Apoiem-me a agradecer e enviar bênçãos à Sylvia Edwards que tem ajudado a trazer a Notícias de Transmutação todos os meses, além de ajudar com muito mais!

Petr Němčanský – Checo
Tea Thum – Finlandês
Carole Laplante – Francês
Bea Salgado – Francês
Barbara Gramlich – Alemão
Astrid Johnen – Alemão
Nello Ceccon – Italiao
Els de Graaff – Holandês
Sandra Koning – Holandês
Sofia Frazoa – Português
Irina Osechinskaya – Russo
Anton Uvarov – Russo
Ines Fermoso – Espanhol
Lena Anderheim – Sueco
Simin Uysal – Turco

Junto-me a todos no nosso círculo global para vos desejar um bonito solstício e boas festas. Vemo-nos no Ano Novo!

Transmutation News – November 2018 – Portuguese

Transmutation News Novembro de 2018

Temo-nos juntado para realizar as práticas que nos levam a uma relação mais profunda com a Terra, o Vento, a Água e o Fogo. Consigo sentir uma diferença no meu corpo. Sinto uma conexão mais profunda comigo e com todas as formas de vida.

Um dia, estava a comer uma pequena maçã da minha macieira. De repente, senti que estamos conectados ao espírito de todas as formas de vida que comemos. Conseguia sentir as raízes a crescer no meu corpo e uma conexão mais profunda com a natureza. Claro que isso despertou diferentes partes da minha imaginação e comecei a pensar em como, de cada vez que comemos, nos conectamos à forma de vida que ingerimos e como há fios de ligação que saem de nós.

Comecei a pensar se aqueles de nós que estão comprometidos com as suas práticas espirituais começam, com gratidão, o seu dia, o trabalho espiritual e assim por diante. Durante o mês de novembro celebramos o Dia de Ação de Graças na América.

Isso levou-me a pensar sobre a diferença espiritual se, antes de agradecermos, pedirmos permissão à terra de onde retiramos a nossa comida e ao espírito de tudo. Peçam permissão para comer a recompensa que a Mãe Terra nos tem proporcionado, tal como a sua parceria com o ar, a água, o sol, a lua e as constelações.

Pergunto-me como seria a vossa paisagem interna, sentimentos, pensamentos, saúde e conexão à vida se, primeiro, pedissem permissão para “levar” da terra.

Queremos continuar, certamente, com as nossas práticas de gratidão e, até mesmo, trazê-las para o nosso campo de energia. Mas e se adicionássemos a prática de pedir permissão, assim como pedir encorajamento, para aliviar a nossa caminhada em Gaia?

Ao fazê-lo, imagino as forças da natureza, os ancestrais e todos os antepassados a cantarem canções de gratidão e ação de graças para nós.

Esta prática também nos pode ajudar a fazer mudanças alimentares e de estilos de vida à medida que nos sintonizamos com as formas mais profundas das energias que absorvemos.

A Lua Cheia é a 23 de novembro. Vamos trazer uma consciência mais profunda e acordar totalmente para o nosso espírito, que é pura luz divina. Não contenham a vossa luz. Deixem-na fluir em vez de a tentarem conter. Juntemo-nos na partilha de luz transformadora com a Terra e com todas as formas de vida. Pensem como o sol, a lua e as estrelas transformam o crescimento. Estão a brilhar suficientemente a vossa luz para serem uma força transformadora?

Se são novos leitores da Notícias de Transmutação, sejam bem-vindos. Por favor, leiam as instruções para a Cerimónia da Lua Cheia em “Criar uma teia de luz humana”, na página inicial do site.

Recebi uma mensagem durante uma caminhada. Quando o mundo se dissolve, há espírito. Ao atravessarmos as iniciações que estamos a viver agora, dissolvemo-nos nos nossos seres espirituais.

Transmutation News – October 2018 – Portuguese

Transmutation News Outubro de 2018

Estamos a viver uma época em que a vida se está a mover a um ritmo tão rápido que, muitas vezes, nos esquecemos do que é importante e deixamos de lado as nossas prioridades pessoais enquanto tentamos manter o ritmo.

Estive com um amigo que me falava sobre uma palestra a que assistiu e na qual o orador dizia que a única forma de nos movermos mais rápido é tornarmo-nos uma parte humanos e uma parte computadores. Que pensamento interessante!

Na verdade, a chave para todos nós é começarmos a mover-nos mais devagar e entrarmos no nosso ritmo, que nos reflete um estado de saúde e de equilíbrio. Desta forma, voltamos a fluir com a vida onde os nossos caminhos nos levam a próximos passos de tratamento e de evolução de uma forma equilibrada, em vez de sentirmos que estamos a ser apanhados pelo tornado da vida no mundo moderno.

Ao dar entrevistas para que as pessoas conheçam o meu novo livro The Book of Ceremony (sem publicação em português), constato que tenho sérias dificuldades em encontrar palavras para falar do poder da cerimónia. O que percebo é que não podemos sequer, racionalmente, imaginar o poder das cerimónias. O trabalho é muito centrado no corpo e não é um processo linear.

As culturas xamânicas marcam o tempo de forma diferente da nossa. Estamos tão focados em relógios e calendários, enquanto os povos das culturas indígenas viam as mudanças de luz, as fases da lua, as constelações no céu e, claro, a mudança nas estações. Têm uma forma mais orgânica de olhar para a mudança do tempo.

É uma forma de viver mais centrada no corpo que nos traz, naturalmente, para o ritmo da Terra. E, ao fazê-lo, temos uma sensação diferente de navegar nas ondas da mudança.

De várias maneiras, a sociedade criou um sentido de desconexão com o sentido real do tempo. Vivemos numa ilusão do lugar onde estamos na história e na evolução do planeta. Esta forma artificial de observar o tempo e a vida cria mais doença, por isso, o que temos de fazer é entrar de novo no fluxo da vida em vez de nos separarmos dele.

A Terra tem 4.6 biliões de anos. O vento foi o primeiro elemento vivo, ainda antes do mar primitivo ser criado. E o próprio mar existe há biliões de anos. Pensem na idade do sol, da lua e das constelações. A prática do xamanismo recua a 100 mil anos. E temos as tradições ancestrais antigas.

Quando fazemos um trabalho de cerimónia, estamos a entrar neste coletivo antigo. Entramos numa nova frequência e numa nova vibração de vida onde podemos viajar para trás e para a frente entre dimensões das realidades não visíveis, construindo pontes para que as energias de cura possam inundar o coletivo atual.

Os antepassados e os nossos descendentes cantam para nós. Guiam-nos através das suas canções. Toda a natureza canta para nós, ainda que continuemos a questionar as nossas ligações. Muitas vezes, sentimo-nos sem poder no meio de tanta turbulência.

Se fecharmos os olhos e sintonizarmos o nosso coração e a energia para Gaia, que tem 4.6 biliões de anos, e para os elementos e os espíritos auxiliares que estão atrás de nós, como nos podemos sentir sem poder? E quando mergulhamos neste sentimento, devemos perguntar-nos como abordamos o nosso trabalho de cerimónia. Estamos a entrar neste coletivo espiritual, incrivelmente forte e sólido, com os corações cheios e abertos e a fazer o nosso melhor para honrar as forças da vida?

Não pensem. Sintam-no. E irão ver todas as portas de novas perspetivas que se abrem. Há um coletivo diferente no qual podem entrar se largarem as distrações do mundo moderno.

Mas, hoje em dia, as pessoas querem novo material sem repetirem as práticas espirituais uma e outra vez. E querem, também, o sentimento de solidez que surge com o aprofundar do nosso trabalho durante estes tempos que são tão desestabilizadores. A chave é fazer crescer as raízes o mais profundo possível nas velhas formas que têm tanto tratamento e sabedoria para nós.

A Terra testemunhou os mesmos desafios que enfrentamos agora. Gaia está a falar connosco. Aprendam a linguagem dela em vez de a tentarem forçar a aprender a nossa.

Façam as vossas cerimónias e entrem completamente no vosso poder total ao juntarem-se às forças primitivas e às tradições ancestrais que têm andado atrás de vocês e que vos têm encorajado a avançar numa nova evolução da consciência. Sintam esta verdade no vosso corpo!

Nas culturas xamânicas, as pessoas sabem como dançar com as forças cósmicas do universo.

A lua cheia é a 24 de outubro. Quando fizerem a vossa cerimónia para irradiar luz na vossa comunidade, por favor lembrem-se da antiguidade das forças espirituais com as quais estão associados enquanto fazem o vosso trabalho.

Existe uma nova forma de se prepararem para entrar num coletivo tão sagrado e serem, realmente, uma luz que brilha no interior da Terra e à sua volta? Aprofundem o vosso trabalho, conheçam e dancem com seres poderosos que nem imaginam que existem.

Se são novos leitores da Notícias de Transmutação, leiam “Criar uma teia de luz humana” na página inicial do site.

Transmutation News – September 2018 – Portuguese

Transmutation News Setembro de 2018

Obrigada pelos vossos generosos comentários sobre a newsletter de agosto, que tocou profundamente muitos leitores.

Também agradeço a todos o apoio aos meus dois novos livros: The Book of Ceremony e The Hidden Worlds (escrito com Katherine Wood) (ambos sem tradução em português).

Tive uma oportunidade fantástica de falar para um grupo na Síria que procurava ferramentas espirituais para voltar a ganhar um sentido de esperança no meio da vivência de guerra constante. Muitas pessoas, em várias partes do mundo, estão a voltar-se para as ferramentas espirituais, pois acontecem muitas coisas que não fazem sentido às nossas mentes racionais. Chegou a altura de abraçarmos práticas espirituais que nos possam ajudar a fazer o trabalho interior necessário enquanto o nosso modo de vida está a ser desmembrado.

Trabalhar com a Prática de Transfiguração e Sanar com a Luz Espiritual é uma contribuição poderosa para tratar as nossas vidas e ajudar o planeta. Quando nos transfiguramos, tornamo-nos numa verdadeira presença de luz que trata e transforma tudo o que está dentro e fora de nós.

Mas a Transfiguração, embora possa manifestar tratamentos milagrosos, normalmente não é suficiente se não se fizer algo mais. A menos que mudemos o nosso estilo de vida, ações, comportamentos, a forma como usamos as palavras e nos concentremos na energia dos pensamentos e devaneios com que alimentamos o coletivo, os nossos esforços não irão ver frutos. Não é suficiente irradiar luz, a menos que elevemos a nossa própria vibração física para corresponder ao estado de unidade, luz e amor.

Esquecemo-nos que estamos interconectados e interdependentes com todas as formas de vida e que isso nos está a ser refletido pelo ambiente e por um comportamento desequilibrado.

Pode parecer óbvio para muitos, mas, infelizmente, muitos outros ainda estão à espera de um milagre. Como ensino de forma tão convicta nos cursos de Medicina para a Terra, devemos envolver-nos num trabalho que inclua os seguintes elementos: intenção + amor + união + harmonia + concentração + foco + imaginação.

Além de todo o trabalho espiritual que realizamos, devemos mudar o nosso estilo de vida para viver de maneira a apoiar o ambiente. É difícil de fazer porque no mundo moderno estamos muito acostumados ao nosso estilo de vida.

A 23 de setembro honramos o equinócio enquanto nos movemos para o outono no Hemisfério Norte e para a primavera no Hemisfério Sul. Ao trabalhar com as mudanças das estações, incentivei-vos a concentrarem-se na fluidez de todas as mudanças na natureza. Não há inícios nem fins dramáticos. Todos os ciclos de mudança fluem um para o outro.

Os elementos são ótimos professores sobre como entrar no fluxo da vida. Porque a terra, o ar, a água e o fogo estão sempre em movimento, sempre limpando e depois retornando às fases de renovação.

Quando honramos uma mudança nas estações, também deixamos de lado o que nos ancora a modos de pensar doentios e ao nosso passado. O equinócio é um tempo de limpeza, reafirmando as nossas intenções, comprometendo-nos a envolver-nos em práticas espirituais mais profundas e numa maneira mais disciplinada que nos leva a um renascimento. É hora de nos honrarmos, de honrarmos toda a vida e a nossa interconexão com a natureza.

Para honrar o equinócio, gostaria que nos concentrássemos no trabalho cerimonial para libertar parte da negatividade que estamos a enviar para o coletivo. Descubro que, à medida que os problemas na Terra aquecem a comunidade espiritual, esta também está a alimentar muita energia de divisão e velhas formas de pensar. Todos nós temos partes do puzzle para partilhar e precisamos de apoiar pontos de vista espirituais diferentes. Vamos concentrar-nos em criar um coletivo mais forte, pois é assim que a mudança real vai acontecer.

Deixo-vos algumas sugestões de cerimónias que podem querer fazer no equinócio. São adaptadas do meu livro Walking in Light: The Everyday Empowerment of Shamanic Life (sem tradução em português).

Podem criar uma cerimónia para libertar uma velha forma de pensamento que tem origem em velhas vozes que desafiam princípios espirituais de trabalhar com unidade, amor, luz, honra e respeito. Trabalhem sempre com o espírito do amor. Estão a ter um ato de amor para convosco e para com a nossa comunidade espiritual quando libertam o que vos prende.

Se consideram que precisam de mais orientação na cerimónia a realizar, podem fazer uma viagem xamânica ao encontro de um espírito auxiliar para uma sugestão de uma cerimónia simples. Não importa a simplicidade da cerimónia, o importante é criá-la de uma forma sagrada. É aqui que reside o poder.

Podem convidar amigos, entes queridos e pessoas da vossa comunidade para trabalharem juntos em cerimónia. E podem imaginar como as crianças vão adorar envolver-se neste trabalho.

Cerimónia do Fogo

O fogo é o grande professor de transformação e transmutação, que tira de nós o que precisa de ser libertado e transmuta a energia.

Façam um objeto que possa ser queimado. Podem criar um talismã ou objeto de poder que mantenha o poder da vossa crença, que depois vão libertar nas chamas. Podem encontrar um pau enquanto andam na natureza e se vão concentrando no que desejam libertar. Peguem num pouco de fio e vão retirando da vossa psique a vossa crença auto sabotadora enquanto enrolam o fio no pau ou criam um talismã de objetos da natureza que podem ser queimados.

Reservem algum tempo para se certificarem de que não fizeram apenas uma representação da vossa crença ou forma de pensamento bloqueadora. Cantem, soprem, dancem, batam ou toquem a maraca para que o vosso talismã incorpore o poder da forma de pensamento que querem libertar.

Podem fazer uma cerimónia de fogo numa lareira ou ao ar livre, se for seguro. Se estiverem limitados em termos de segurança para trabalhar com o fogo, podem usar a chama de uma vela. Escrevam a crença que estão a libertar num papel e queimem-no numa tigela ou pia.

Estão a trabalhar em parceria com o espírito do fogo para transformar o pensamento que querem libertar. Ao criarem o fogo, partilhem com ele a vossa intenção. Ofereçam-lhe o vosso talismã ou, até mesmo, uma forma de pensamento ou crença bloqueadora que escreveram num papel. Concentrem-se no que vão libertar. Sintam-no no vosso corpo. Quando se sentirem preparados, soltem-no nas chamas. Soltem o talismã no fogo enquanto agradecem. Agradeçam ao fogo, que trabalha a vosso favor para consumir e transformar a vossa crença em pura energia divina. Façam uma oferenda ao fogo, pois isso irá tirar-vos a crença bloqueadora para ser curada. Quando faço cerimónias ao fogo, costumo oferecer cedro.

Quando a cerimónia estiver terminada, agradeçam aos elementos e espíritos auxiliares. Este trabalho marca uma iniciação e abre uma nova porta para a forma como vivem a vossa vida.

Muitos dos meus clientes e estudantes utilizam, em casa, uma tigela sagrada para fazerem cerimónias regulares de fogo enquanto continuam a explorar os obstáculos que os impedem de manifestar os sonhos de uma vida boa para si próprios e para toda a vida na Terra.

Cerimónia da Água

Criem um talismã com objetos que encontrem na natureza e que pode ser libertado na água. Este talismã está empoderado com a vossa crença. Podem criar um pequeno barco com paus e plantas, deixando a vossa crença navegar para o reino do espírito. Deem graças à água enquanto a vossa crença é libertada e transformada.

Há uma cerimónia maravilhosa, partilhada comigo por um aluno, que inclui trabalhar com papel solúvel. Podem comprar papel solúvel no site www.ScienceBob.com. O papel solúvel é completamente seguro para o meio ambiente e decompõe-se totalmente. Podem cortá-lo em bocadinhos e desenhar imagens, símbolos ou palavras que envolvam crenças e formas de pensamento que estão a libertar. Ponham água morna numa tigela e, cerimoniosamente, coloquem o papel com a vossa crença na água morna e observem-no a dissolver-se completamente. Tragam a pequena tigela de água para fora e vertam a água na terra.

Cerimónia da Bolha

Uma cerimónia que vos irá preencher com um estado infantil de alegria é sair com um frasco de bolas de sabão. Tenham presente a vossa intenção e soprem as bolas de sabão para o ar, libertando as formas de pensamento negativas. Agradeçam ao ar enquanto o vento leva as vossas crenças bloqueadoras para as forças criativas do universo onde são transformadas em amor e luz.

Cerimónia de enterro

Escrevam ou criem algo que possam enterrar. Podem fazer um funeral para libertar as formas de pensamento negativas. Lembrem-se, apenas, de enterrar a vossa crença com amor. Estão a libertar o que vos prende enquanto, ao mesmo tempo, transformam a energia da crença em amor e luz.

Cerimónia de corte

Encontrem um pau na natureza e, enquanto o seguram, concentrem-se na crença de auto sabotagem da qual se desejam libertar. Partam o pau ao libertar a vossa ligação com essa crença. É um ato simbólico de se desconectarem de uma energia indesejada.

Viagem de desmembramento de uma forma de pensamento

Levem a vossa crença bloqueadora, atitude ou padrões de pensamento a um espírito auxiliar e peçam-lhe para desmembrar a forma de pensamento.

Podem sentir uma libertação imediata e uma nova sensação de liberdade. Há momentos em que é preciso mais trabalho ao longo do tempo. Convido-vos a elevar a vossa consciência e a consciência espiritual acima das energias negativas que pesam sobre nós.

Há momentos em que é preciso fazer um trabalho mais continuado. Convido-vos a unirem-se a mim para elevar a vossa consciência espiritual acima das energias negativas que pesam sobre nós.

A lua cheia é a 25 de setembro. Continuemos o nosso trabalho à medida que mergulhamos na profundidade da nossa luz espiritual que tem tanto potencial para nos transformar e curar, assim como tudo na teia de luz e na Terra. A nossa luz irradia e dança em conjunto, elevando e alimentando toda a vida com força, compaixão e amor. Unimo-nos enquanto irradiamos luz luminescente dentro e em redor da Terra.

Se são novos leitores da Notícias de Transmutação, leiam “Criar uma teia de luz humana” na página inicial do site.

Voltando à Notícias de Transmutação de agosto, escrevi sobre como estamos a assumir muitas energias desafiadoras que fluem através do campo coletivo de energia. O que os meus espíritos auxiliares me mostraram a um intenso nível de sensação corporal, celular, é a diferença do que acontece quando nos preenchemos com o que somos em gratidão, belas imagens, cores, fragrâncias, sabores, cheiros e sons deliciosos. Quando estamos tão cheios de beleza, podemos ver beleza no nosso mundo exterior. Se não estivermos cheios de ricas e belas energias, sentimo-nos vazios por dentro. E, nesse vazio, as energias do coletivo podem entrar. Estar cheio de luz, amor e beleza é a nossa maior proteção, assim como sermos uma poderosa contribuição para toda a vida.

Junto-me ao nosso círculo para desejar a todos uma profunda e significativa celebração do equinócio!